Sinto os olhos do mundo cravarem-se em mim como facas, sinto-os seguirem cada movimento que faço, cada passo que dou. Sinto-me julgada, criticada, e no entanto, com razão. Sinto-me burra, e na verdade sou. Uma burra sem emenda.

Sem comentários:

Enviar um comentário